SAIR
 
AXNews
Newsletter Aluísio Xavier
 
   
Reuters - 11/02/2011 | IMOBILIÁRIO
Índice da FGV aponta alta de 33,5% em imóveis comerciais em 2010
AUMENTAR A LETRA DIMINUIR A LETRA
SÃO PAULO (Reuters) - O retorno de investimentos em imóveis comerciais no Brasil foi de 33,5 por cento no ano passado, o maior desde 2000, de acordo com novo índice da BM&FBovespa e FGV. O indicador atesta a demanda aquecida por shopping centers, hotéis e escritórios diante do crescimento vigoroso da economia em 2010.
"Ainda não temos perspectiva (de bolha) no mercado de imóveis comerciais", disse o pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas, Paulo Pichetti, embora tenha reconhecido "valorização bastante grande" recentemente.
O objetivo do Índice Geral do Mercado Imobiliário Comercial (IGMI-C), com periodicidade trimestral, é se tornar uma referência da rentabilidade de imóveis comerciais, dando mais transparência à formação de preços de compra, venda e locação.
Ainda que não tenha como função detectar eventuais distorções de preços dos imóveis, isso eventualmente pode acontecer --o que ajudaria a evitar no Brasil uma crise futura como a do subprime dos Estados Unidos um par de anos atrás.
O diretor de Desenvolvimento e Fomento de Negócios da BM&FBovespa, José Antonio Gragnani, procurou destacar que o crédito imobiliário ainda representa uma parcela muito pequena do Produto Interno Bruto (PIB) no Brasil.
"Em outros países (da América Latina), o crédito imobiliário representa 14 a 17 por cento do PIB, enquanto no Brasil equivale a perto de 4 por cento do PIB", disse.
Da ótica de grandes investidores, alguns movimentos recentes indicam não haver expectativa de bolha iminente no mercado imobiliário comercial, diante da proximidade da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas em 2016, que vão impulsionar construções, como novos hotéis.
Em novembro, por exemplo, a construtora e incorporadora PDG Realty fechou acordo com a rede Marriot para construção e administração de até 50 hotéis corporativos do segmento econômico da rede Fairfield no Brasil em cinco anos.
Agora, são os fundos de pensão que devem apostar mais na área de imóveis comerciais.
De acordo com o presidente da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp), José de Souza Mendonça, o novo índice apresentado nesta sexta-feira deve ajudar a aumentar os investimentos de fundos de pensão em imóveis.
"Hoje os fundos de pensão podem aplicar 8 por cento em imóveis e têm 2,8 por cento do capital destinado a imóveis. Também podem alocar até 10 por cento em fundos imobiliários e não possuem nem 1 por cento da carteira nisso", afirmou Mendonça.
"Os imóveis têm uma característica de iliquidez e faltava um índice que nos desse mais informações para esses investimentos."
SÉRIE HISTÓRICA
A série histórica do IGMI-C --que teve como base indicadores similares existentes no exterior-- começa em 2000.
Considerando toda a série do índice, o retorno total até 2010 com imóveis comerciais --que inclui renda com aluguel e valorização nominal da propriedade-- foi de 637,9 por cento.
Não por coincidência, a disparada na rentabilidade ocorreu a partir de 2006, início do maior ciclo de expansão econômica recente do país e quando os juros começaram a cair de forma mais acentuada, ajudando a ampliar a oferta de crédito.
O IGMI-C inclui atualmente informações de 190 imóveis, a maioria de escritórios comerciais e shoppings. São Paulo e Rio de Janeiro são os mais presentes na amostragem, com 37 por cento e 26 por cento do total, respectivamente.
A FGV quer agora atrair mais investidores institucionais e empresas ligadas ao setor imobiliário como contribuidoras do IGMI-C, para ampliar sua representatividade.
A FGV também trabalha na criação de um índice de valorização de imóveis residenciais, o IGMI-R, ainda sem data para lançamento.
 
 
   

MAIS NOTÍCIAS RELACIONADAS

Folha de São Paulo - 20/02/2011
Gesso resolve tudo
Folha de São Paulo - 20/02/2011
"Pacificação" aumenta o valor dos imóveis
Agência Estado - 17/02/2011
CEF inicia retomada de imóveis de programa na BA
Canal Executivo - 17/02/2011
Imóveis de dois quartos representaram mais da metade das vendas de dezembro em São Paulo
Canal Executivo - 17/02/2011
Venda de imóveis na cidade de São Paulo cresceu 51,7% em dezembro
InfoMoney - 17/02/2011
Preço de apartamentos usados sobe 1,8% em janeiro no Brasil
InfoMoney - 17/02/2011
Ano de 2010 foi de recuperação de lançamentos de imóveis residenciais
Reuters - 17/02/2011
Índice da Fipe aponta maior alta de preços de imóveis no Rio
Folha.com - 17/02/2011
Lançamento de imóveis cresce 18% em SP em 2010, aponta Secovi
Agência EFE - 16/02/2011
Ritmo de construção de casas nos EUA cresce 14,6% em janeiro
InfoMoney - 16/02/2011
Valor médio da cota de consórcios de imóveis cresce 14% em 2010
Folha.com - 11/02/2011
Construção civil espera crescer mais que o PIB em 2011
InfoMoney - 11/02/2011
Minha Casa, Minha Vida: SindusCon pede aumento do valor limite por unidade
Folha.com - 10/02/2011
Trabalhadores da construção civil fazem greve na Bahia
InfoMoney - 14/02/2011
Lançamentos e vendas de imóveis de luxo devem ficar estáveis em 2011
InfoMoney - 14/02/2011
SP: imóveis econômicos representam até 57% dos lançamentos no interior
InfoMoney - 14/02/2011
Preços de imóveis atingiram pico em 2010, diz Secovi-SP
Valor Online - 11/02/2011
Novo índice pode ajudar a identificar bolha imobiliária, diz FGV
Reuters - 11/02/2011
Índice da FGV aponta alta de 33,5% em imóveis comerciais em 2010
InfoMoney - 11/02/2011
Imóveis comerciais renderam 738% desde 2000, revela novo índice