SAIR
 
AXNews
Newsletter Aluísio Xavier
 
   
Zero Hora - RS - 18/02/2011 | INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS
Banco do Brasil aposta em empresas
AUMENTAR A LETRA DIMINUIR A LETRA
Maior instituição financeira nacional, o Banco do Brasil (BB) pretende apostar neste ano no financiamento de projetos do setor produtivo. O banco prevê redução no ritmo de expansão dos empréstimos para o consumo devido às medidas de restrição ao crédito e ao aumento nos juros no país.

No ano passado, o aquecimento do crédito e a redução da inadimplência deram ao banco um lucro de R$ 11,7 bilhões – o maior já obtido e 15,3% superior a 2009.

Segundo o presidente do BB, Aldemir Bendine, as medidas para esfriar o crédito adotadas pelo Banco Central são sentidas nos financiamentos de veículos, cujos desembolsos recuaram 40% em janeiro. A instituição espera que o crédito ao consumidor pessoa física cresça entre 17% e 23% neste ano – abaixo do ritmo de 23,2% de 2010.

Bendine afirmou que a presidente Dilma Rousseff determinou que o BB priorize o financiamento dos projetos de expansão de negócios das empresas. A expectativa é que o crédito para empresas salte entre 17% e 20%.

– A presidente Dilma pediu um direcionamento mais forte para o investimento privado – contou o dirigente.

Em 2010, o BB ampliou a participação no crédito para a elite das empresas brasileiras, segmento de menor risco de calote e que mais demanda recursos para investimentos em época de expansão econômica.

Empréstimos para empresas atingiram quase R$ 150 bilhões, o equivalente a 22% do mercado de crédito para pessoa jurídica (era 21% em 2009), apesar do aumento da concorrência com outras instituições financeiras.

As grandes corporações foram as mais beneficiadas, com expansão de 23% nos financiamentos, enquanto as micro e pequenas empresas tiveram crescimento de 13,3%. Empréstimos para viabilizar novos investimentos cresceram 31,3%, bastante acima do ritmo de 18,5% das linhas de crédito para o dia a dia das empresas.



Prioridade para portos, petróleo e agronegócio
Os projetos que mais receberão recursos neste ano serão a construção de portos, plataformas de exploração de petróleo e agronegócio, segundo o presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine. A instituição tem pedidos de financiamento de mais de R$ 85 bilhões. Em 2010, o BB foi o banco que mais repassou recursos do BNDES – R$ 18,2 bilhões.

Para o agronegócio, o banco já emprestou R$ 75 bilhões, 13% superior a 2009. O BB também teve forte crescimento no volume de empréstimos habitacionais, que saltaram de R$ 1,5 bilhão para R$ 3 bilhões em 2010.
 
 
   

MAIS NOTÍCIAS RELACIONADAS

Folha.com - 22/02/2011
Santander aumenta capital em acordo com Zurich Financial
DCI Notícias - 22/02/2011
Bancos e fundos de investimentos detêm maior parte
Época Negócios - 17/02/2011
BB fecha 2010 com lucro líquido 15,3% maior
Agência Estado - 22/02/2011
Itaú Unibanco tem lucro de R$ 13,3 bi em 2010
O Estado de São Paulo - 18/02/2011
BC antecipa novas regras para os bancos
O Estado de São Paulo - 19/02/2011
BC chinês eleva compulsório de bancos de novo
Agência Estado - 20/02/2011
Bancos voltam a funcionar no Egito
O Estado de São Paulo - 21/02/2011
Emissão de boleto não pode ser cobrada
O Estado de São Paulo - 22/02/2011
Analistas rechaçam tese de subprime no Brasil
Folha de Pernambuco - PE - 18/02/2011
Magazine Luiza prospecta mercado local
Zero Hora - RS - 18/02/2011
Banco do Brasil aposta em empresas
Correio Braziliense - DF - 18/02/2011
Correios preparam licitação para selecionar parceiro no Banco Postal
Valor Econômico - SP - 18/02/2011
Itaú coloca executivo da casa na Redecard
O Estado de Minas - MG - 15/02/2011
Economia no cartão? Só para os lojistas
Zero Hora - RS - 15/02/2011
Banrisul planeja ofertar R$ 40 bilhões em 2011
Correio Braziliense - DF - 09/02/2011
Banco do Brasil poderá comprar até 75% do Banco Patagonia, da Argentina
O Estado de São Paulo - 09/02/2011
''Não surpreender não quer dizer que seja bom''
Estadão - 10/02/2011
FMI admite que ignorou sinais da crise global
O Estado de São Paulo - 10/02/2011
Em janeiro a nova política cambial teve pouco efeito
Estadão - 11/02/2011
ANÁLISE-Cortes de R$50bi não mudam projeções de aperto monetário