SAIR
 
AXNews
Newsletter Aluísio Xavier
 
   
- Jornal do Comércio - RS - 22/02/2011 | DIREITO TRIBUTÁRIO
Receita Federal criará Centro de Riscos Aduaneiros
AUMENTAR A LETRA DIMINUIR A LETRA
O secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, informou ontem que a Receita vai criar, ainda no primeiro semestre deste ano, o Centro Nacional de Gestão de Riscos Aduaneiros, que terá como tarefa rastrear e coibir o subfaturamento das importações brasileiras. Segundo ele, atualmente, a Receita faz essa fiscalização no varejo e em cada porto. O objetivo agora, segundo Barreto, é ter um centro que faça a análise dos dados de forma centralizada, permitindo ao fisco usar mais a área de inteligência.

O secretário admitiu que esse novo monitoramento visa a controlar a invasão de produtos chineses. Além disso, afirmou, esse é um movimento coordenado com os estudos que o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior vem fazendo para elevar o Imposto de Importação de alguns produtos. Barreto explicou que quando há aumento de alíquota existe um risco maior de subfaturamento porque o importador tenta reduzir a base de incidência do tributo para pagar menos imposto.

O secretário disse que a Receita vai rastrear todos os produtos que possam prejudicar a produção nacional, em função da concorrência desleal. "Os produtos, tanto da China quanto de outro país, serão fiscalizados", disse o secretário, destacando que os produtos chineses não são um mal em si. O problema é quando o preço não está correto na sua importação. Barreto informou, também, que essa é uma determinação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, que está preocupado com a prática de preços desleais na importação. O centro irá funcionar em São Paulo ou no Paraná. O local será definido em função da facilidade de instalação, e que não necessariamente ficará em um grande centro ou perto de um porto.

Barreto também informou que pretende encaminhar neste ano ao Congresso Nacional projeto de lei ordinária para coibir planejamento tributário abusivo feito pelas empresas em operações de fusões e aquisições. Segundo ele, os estudos de mudanças na legislação do Imposto de Renda (IR) já estão prontos, aguardando decisão política. Segundo o secretário, esse é um assunto muito complexo, porque a lei das Sociedades Anônimas mudou em 2007, com novos conceitos sobre ágio, incorporações e de mecanismos de aproveitamento tributário.
Estudos para correção da tabela do Imposto de Renda estão prontos

A Receita Federal já tem estudos prontos para o reajuste da tabela do Imposto de Renda Pessoa Física. Os técnicos só aguardam a solicitação das áreas políticas do governo para encaminhar à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional proposição legislativa sobre o reajuste. "Temos estudos e estamos prontos para fazer qualquer ajuste", informou o secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto. O governo só deverá enviar a proposta de reajuste da tabela do IR ao Congresso Nacional depois da aprovação do salário-mínimo de R$ 545,00 no Senado. O valor já foi aprovado na Câmara dos Deputados.

Na semana passada, o ministro das Relações Institucionais, Luiz Sérgio, afirmou que, assim que o valor do mínimo for aprovado nas duas casas legislativas, a correção de 4,5% da tabela será enviada. O impacto na arrecadação chega a R$ 2,2 bilhões, calcula o fisco.

Caso haja a correção, o secretário da Receita garantiu que o trabalhador poderá descontar o que as empresas recolheram a mais na declaração de 2012 (ano-calendário 2011).

Além disso, órgão intensificará o combate às fraudes, com o abatimento de despesas médicas na declaração do IR. Segundo Barreto, a Receita está aumentando as ações preventivas para evitar que sejam usados pelo contribuinte recibos frios ou indicações indevidas de pagamento para planos de saúde ou hospital. A Receita deve fazer uma campanha alertando o contribuinte sobre os riscos do uso indevido dos recibos frios.
Barreto afirmou que a Receita também está buscando identificar esse tipo de prática, como a venda de notas frias no mercado e alertou que a Receita conta agora com um novo instrumento, chamado Declaração de Serviços Médicos (Demed), que possibilita o cruzamento dos dados.

Sobre a desoneração da folha de pagamentos, uma antiga reivindicação dos empresários, Barreto afirmou que há estudos na Receita Federal, mas que ainda não há definição sobre a proposta. Mesmo com os estudos, Barreto alega que não será fácil fazer os cálculos para a implantação das desonerações nos diversos setores da economia brasileira. "O impacto é diferente nos vários setores da economia. Não há modelo simples nessa matéria. Não há cálculo matemático que mostre simplesmente que você tira daqui e põe ali. E eles passam sobretudo por questões políticas."
 
 
   

MAIS NOTÍCIAS RELACIONADAS

Associação Paulista de Estudos Tributários - 21/02/2011
Novo imposto para saúde divide opiniões
Associação Paulista de Estudos Tributários - 21/02/2011
Confederação de metalúrgicos questiona concessão de benefícios fiscais na Bahia
Supremo Tribunal Federal - 21/02/2011
STF – Venda de salvados por seguradoras não está sujeita ao ICMS
- Jornal do Comércio - RS - 22/02/2011
Receita Federal criará Centro de Riscos Aduaneiros
Diário do Comércio - SP - 18/02/2011
Governo reduz imposto de importação para 417 itens
Câmara dos Deputados Federais - 18/02/2011
Projeto reduz carga tributária sobre reforma de pneus
Câmara dos Deputados Federais - 18/02/2011
Proposta estabelece correção automática da tabela do IR
IOB News - 18/02/2011
Conduta revestida de boa-fé afasta pena de perdimento de mercadoria importada
IOB News - 18/02/2011
Empresa não pode ser prejudicada pela demora na análise de seu pedido de revisão do parcelamento do débito
Superior Tribunal de Justiça - 18/02/2011
Precatório oferecido à penhora pode ser recusado pelo fisco
SECOM-MT - 14/02/2011
Estados do Nordeste se unem a MT por divisão do ICMS sobre vendas pela internet
Associação Paulista de Estudos Tributários - 14/2/2011
Não deve incidir contribuição previdenciária sobre os valores pagos a título de participação nos lucros e resultados
Associação Paulista de Estudos Tributários - 14/2/2011
Entre março e junho contribuinte deve negociar Refis
STF - 14/02/2011
Extinta punibilidade de José Tatico em ação por sonegação fiscal
Tribunal Superior do Trabalho - 10/02/2011
TST - Turma decide sobre isenção de IR em verbas rescisórias
Ordem dos Advogados do Brasil - 10/02/2011
OAB - Presidente da OAB diz que cobrança do ICMS é guerra entre Estados
Superior Tribunal de Justiça - 10/02/2011
STJ - Redução de ICMS na saída não permite crédito integral na entrada de mercadorias
Supremo Tribunal Federal - 10/02/2011
STF – Metalúrgicos questionam benefícios fiscais à importação de produtos siderúrgicos no MS
Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região - 11/02/2011
TRT14 - Receita altera IR sobre ações trabalhistas e atrasados do INSS
Tribunal de Justiça do Estado de Goiás - 11/02/2011
TJGO - Juiz reconhece depósito judicial para suspensão de exigibilidade de crédito não tributário