SAIR
 
AXNews
Newsletter Aluísio Xavier
 
   
Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região - 21/02/2011 | TRABALHO E PREVIDENCIÁRIO
TRT3 - Dívidas e cheques devolvidos não podem mais gerar justa causa de bancário
AUMENTAR A LETRA DIMINUIR A LETRA
Desde o dia 13 de dezembro de 2010, os casos de inadimplência e emissão de cheques sem fundos não podem mais servir de motivação para a dispensa por justa causa aplicada ao empregado bancário. Isso porque, nessa data, entrou em vigor a Lei 12.347, de 10/12/2010, revogando o artigo 508 da CLT, que oferecia essa possibilidade aos empregadores. A redação desse dispositivo legal era a seguinte: "Considera-se justa causa para efeito de rescisão do contrato de trabalho do empregado bancário, a falta contumaz de pagamento de dívidas legalmente exigíveis" .



A alteração foi bem recebida no meio jurídico. Na prática, muitos juízes já consideravam a norma superada e afastavam a justa causa aplicada em função da existência de dívidas ou de cheques devolvidos. Para a maioria dos julgadores que atuam na Justiça do Trabalho, essa revogação chegou em boa hora, pois o tratamento diferenciado dispensado aos bancários afrontava o princípio da isonomia, por envolver punição apenas para um segmento de trabalhadores. No mais, existe o entendimento predominante de que a justa causa específica para bancários, além de ser discriminatória, poderia ter relação com fatos alheios à relação de emprego. Nesse sentido, era necessário separar a condição de consumidor da condição de empregado. Portanto, com a revogação da norma, não existe mais amparo legal para a aplicação da justa causa ao bancário endividado.



Antes da revogação do artigo 508 da CLT, a Justiça do Trabalho mineira recebia um número expressivo de ações trabalhistas versando sobre a matéria. Uma delas foi ajuizada perante a Vara do Trabalho de Bom Despacho e julgada pela juíza substituta Solange Barbosa de Castro Coura. No caso, a bancária, que estava afastada do trabalho por motivo de doença ocupacional, recebeu uma advertência e foi dispensada por justa causa pelo fato de ter emitido 17 cheques sem fundos e deixado de pagar dívidas com alguns bancos. Para justificar sua conduta, o banco empregador alegou que, apesar da advertência, a trabalhadora continuou a trilhar o caminho da inadimplência, deixando as dívidas em aberto, assim como os cheques sem provisão de fundos. Depois de analisar o conjunto de provas, a magistrada decidiu, por duas razões, afastar a justa causa aplicada pelo banco. Em primeiro lugar, porque a bancária foi punida duas vezes pelo mesmo fato, ou seja, ela foi advertida e dispensada em função do atraso no pagamento de dívidas contraídas com outros bancos. Lembrou a juíza que, no Direito do Trabalho, existe um princípio segundo o qual o empregador não pode aplicar mais de uma pena em razão de uma única falta cometida.



Em segundo lugar, entendeu a julgadora que a bancária não era devedora contumaz, isto é, ela não contraía dívidas de forma reiterada. Inclusive, na audiência, a trabalhadora apresentou um documento que registrava pedido de exclusão de seu nome do cadastro mantido pelo Banco Central, demonstrando que, além de não ter incidido em novas ocorrências, ela procurou regularizar aquelas que geraram a advertência e a justa causa. Nesse sentido, observou a magistrada que a reclamante era empregada do banco desde 1995 e, durante o período contratual, não há notícia de que ela tenha, em qualquer outra ocasião, cometido a mesma falta. Ou seja, ficou comprovado que o atraso no pagamento de dívidas e a emissão de cheque sem fundos não eram acontecimentos corriqueiros. Ao contrário, a inadimplência foi um fato isolado que ocorreu na vida da empregada e nunca mais se repetiu.



Ao finalizar, a julgadora ressaltou que não se pode deixar de considerar as circunstâncias pelas quais passou a trabalhadora: ela estava afastada do trabalho, com a saúde abalada, sofrendo dores e limitações para as atividades normais do dia a dia. Naturalmente, esse quadro resultou em gastos generalizados com especialistas e medicamentos, surgindo daí os problemas financeiros. "No particular, a situação pessoal em que se encontra a autora pode até não autorizá-la a emitir cheques sem fundos, mas justifica a dificuldade financeira alegada por ela e esvai a falta de toda e qualquer eventual leviandade enquanto empregada da instituição", completou. Assim, o banco foi condenado ao pagamento das parcelas rescisórias típicas da dispensa imotivada. O TRT de Minas confirmou a sentença. (RO nº 00900-2005-050-03-00-0 )

 
 
   

MAIS NOTÍCIAS RELACIONADAS

Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região - 21/02/2011
TRT3 - Dívidas e cheques devolvidos não podem mais gerar justa causa de bancário
Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região - 21/02/2011
TRT4 - Produção de book fotográfico não caracteriza vínculo de emprego
Tribunal Superior do Trabalho - 21/02/2011
TST - Trabalhador não consegue comprovar culpa da empresa em acidente de trabalho
Tribunal Superior do Trabalho - 21/02/2011
TST - Dirigente sindical tem estabilidade desde a criação do sindicato
Câmara dos Deputados Federais - 18/02/2011
Projeto cria a figura do trabalhante em contratos de emprego
Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região - 18/02/2011
Empregador é obrigado a fornecer o PPP para empregado que trabalha em condições perigosas ou insalubres
Tribunal Superior do Trabalho - 18/02/2011
Empresa é liberada de pagar gastos com vestuário de consultora de vendas
Tribunal Superior do Trabalho - 18/02/2011
Trajeto interno deve ser calculado como horas extras
Tribunal Superior do Trabalho - 18/02/2011
Vendedor com salário fixo não recebe adicional pela atividade de inspeção
Tribunal Superior do Trabalho - 18/02/2011
Tribunal afasta prescrição em ação movida por sucessores de empregado vitima de acidente de trabalho
Tribunal Superior do Trabalho - 18/02/2011
Vigilante ferido em assalto a carro-forte receberá indenização
Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região - 14/02/2011
TRT2 - Empregado vítima de assaltos obtém estabilidade acidentária
Tribunal Superior do Trabalho - 14/02/2011
TST - Sexta Turma confirma estabilidade de dirigente sindical
Tribunal Superior do Trabalho - 14/02/2011
TST - Empregados de cartório são regidos pela CLT
Supremo Tribunal Federal - 14/02/2011
STF - Empresa questiona decisão que declarou ilegal terceirização de call center
Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região - 10/02/2011
TRT3 - Empregador deve respeitar liberdade de associação dos trabalhadores
Tribunal Superior do Trabalho - 10/02/2011
TST - Ex-funcionário da Telemar aposentado por invalidez ganha R$ 97 mil por dano moral
Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região - 11/02/2011
TRT15 - Petição protocolada pelo sistema e-doc antes da meia-noite do último dia do prazo é tempestiva
Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região - 11/02/2011
TRT4 - Atraso no pagamento de salários gera indenização por dano moral
Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região - 11/02/2011
TRT3 - Empresa é condenada pela prática de dumping social